Histórico
11/12/2005 a 17/12/2005
13/11/2005 a 19/11/2005
06/11/2005 a 12/11/2005
30/10/2005 a 05/11/2005
16/10/2005 a 22/10/2005
09/10/2005 a 15/10/2005
02/10/2005 a 08/10/2005
25/09/2005 a 01/10/2005
28/08/2005 a 03/09/2005
07/08/2005 a 13/08/2005
31/07/2005 a 06/08/2005
17/07/2005 a 23/07/2005
03/07/2005 a 09/07/2005
26/06/2005 a 02/07/2005
19/06/2005 a 25/06/2005
12/06/2005 a 18/06/2005
05/06/2005 a 11/06/2005
29/05/2005 a 04/06/2005
15/05/2005 a 21/05/2005
08/05/2005 a 14/05/2005
17/04/2005 a 23/04/2005
10/04/2005 a 16/04/2005
03/04/2005 a 09/04/2005
27/03/2005 a 02/04/2005
20/03/2005 a 26/03/2005
13/03/2005 a 19/03/2005
06/03/2005 a 12/03/2005
27/02/2005 a 05/03/2005
20/02/2005 a 26/02/2005


Categorias
Todas mensagens
NULL


Votação
Dê uma nota para meu blog

Blogs de Amigos
Abstracto Concreto
Aleatório
Alma de Poeta - Antonio Sardenberg
Alma de Poeta - Valéria Tarelho
Apenas meus poemas - Fátima Dannemann
Bigode de leite
Cardiotopia
Catarseando
Cinzazul
Concretismo
Contra o Vento
Delírios Plurais
Digressiva Maria
Drops da Fal
Eliane Alcântara
Entrelaçando Sentimentos
Isabel Fontes
Fala Poética
Jandyra Adami-blog
Jandyra Adami-ebook
Jandyra Adami-HP
Jardim de Poesia -Sapo
Jardim de Poesia - UOL
J.R.Cônsoli
Mainieri's
Malhação 10 anos - Cris
Mar da Poesia
Megeras Magérrimas
Meu Porto
Milton Ribeiro
Não Discuto
Não Velas de uma quase fada
O ponto zero
Palavras de Algodão
Paola Poesias
Paola Poesias-Sapo
Pedra Brasileira
Poesia Sim
Poesiando
Poesias - Angela Lara
Poesias e Amigos Angela Lara
Poesias e Contos - Ana Melo
Poetaranha - Marcelo Alvarez
Pré-renúncia do paralelepípedo rebelde
Proseares - Valéria Tarelho
Proseando - Mariza Lourenço
Pulsar Poético
Quase Poesia
Renovando a Mente
Tábua de Marés - Márcia Maia
Tempoemas
Textos (quase) proibidos
Texturas - Valéria Tarelho
Triblog - Blog da Tribo
Verso Explícito
Vida atrás do espelho
Vozes da Paixão
Zoo Poesia
==
==
Sites Interativos
A Garganta da Serpente
A Voz da Poesia
Blocos on Line
Nave da Palavra
Ponto de Vista Literatura
Recanto das Letras
Viva Poesia Viva
Versejar
Usina de Letras
==
Outros Sites
==
@poesia.com
Angela Lara - Edições Por-do-Sol
Arte Feminina
Cosmo
Elane Tomich Poesias
Faculdade de Teologia
Gaiola Aberta
Igreja Metodista Central - BH
Jardim de Poesia-Geocities
Jardim de Poesia- Fotografias
Jornal de Poesia
Tempo de Poesia - Maria Tereza
Kamiquase - Paulo Leminski
Le Troca - joguinho
Ligia Tomarchio
Lílian Maial - Geocities
Lisiê Love Dreams - minha xará
Luna e Amigos
Meu Sonho
Minhas Poesias-Angela Lara
Momento Literário
Mulheres que amo
Nossas Preferências - Majô & Machado
Palavras
Paralelos
Pinturas - Martha Allemond
Poesia Ilustrada - Valéria Tarelho
Poética Social - Palavreiros
Poetrix
Portal dos Cantinhos
Projeto Releituras
Prosa e Verso - Lílian Maial
Reinaldo Home Page
Távola Literária
Valéria Tarelho - site
Verso & Prosa
==
==
Meus Cantinhos
lisieux - A voz da poesia
lisieux - Edições Por-do-Sol
lisieux - Jardim de Poesia
lisieux - Lun'as
lisieux - Tempo de Poesia
Canções espontâneas

Indique este blog

XML/RSS Feed
O que é isto?


   

Ingressar em Versejar

   

 MSN Grupos

Blue Eyes III
E-Mail



TIQUE-TAQUE
Antonio Manuel Abreu Sardenberg

Tique - taque, tique – taque
E o tempo vai passando.
Pra mulher o tempo é baque,
Pois quase dá um ataque
Vendo a idade aumentando...

Tique – taque,  tique – taque,
E o cuco vai cantando,
A mulher, arrepiando,
Já não sabe o que faz.
O tempo não volta atrás
E o tique – taque avançando!

Tique – taque, tique – taque,
Surgem os pés-de-galinha
E a pobre coitadinha
Quase não suporta mais
O que antes era lisinho
Está todo enrugadinho
É tique – taque demais...

Tique – taque, tique – taque,
Lá vêm os cabelos brancos.
Olha  no espelho em prantos,
Quase dá um "piripaque".
Já não suporta ouvir,
Do relógio o tique – taque...

Tique – taque, tique – taque,
As horas já são incertas,
Mas ela fica esperta
Começa a contar pra trás.
E quanto mais tique – taque
Mais diminui a idade...
Começa a mentir à vontade,
Que se dane o  tique – taque!

A PORTA
Antonio Manuel Abreu Sardenberg


Minh´alma seja uma porta
aberta para quem bate,
seja quem for, não importa
o ofício...o grau...o quilate
de quem nela está batendo
e assim eu vou fazendo
um pouquinho a minha parte!

Não vou fechar a minh’ alma
a quem precisa de abrigo,
não quero dar mais castigo
a quem já precisa tanto
- e não diga que sou santo -
seja bem-vindo amigo.

Pois cada porta que abre
a um irmão abandonado
é uma lição no passado
pra quem conhece e sabe
quando a José foi negado
juntamente com Maria
um cantinho com um teto
para que o rei do universo,
que por nós morreu na cruz,
viesse ao mundo perverso...
- seu nome: Cristo Jesus! –
 

Dois poemas que achei excelentes (dentre os muitos que ele tem) do meu amigo Antonio. O primeiro diz tão bem do universo interior feminino e da angústia das mulheres frente o passar do tempo e sua eterna briga com o espelho, que eu coloquei minha própria foto pra ilustrá-lo. Do segundo, gostei por  falar de Cristo, A PORTA para a salvação... e ambos são feitos em redondilhas maiores, super sonoras. Para conhecer mais de Antonio Sardenberg, clique aqui:

 - Alma de Poeta -  http://www.sardenbergpoesias.com.br/

Bjokas, lis



Escrito por lisieux às 03h59 [ ] [ envie esta mensagem ]





[ ver mensagens anteriores ]


on-line