Histórico
11/12/2005 a 17/12/2005
13/11/2005 a 19/11/2005
06/11/2005 a 12/11/2005
30/10/2005 a 05/11/2005
16/10/2005 a 22/10/2005
09/10/2005 a 15/10/2005
02/10/2005 a 08/10/2005
25/09/2005 a 01/10/2005
28/08/2005 a 03/09/2005
07/08/2005 a 13/08/2005
31/07/2005 a 06/08/2005
17/07/2005 a 23/07/2005
03/07/2005 a 09/07/2005
26/06/2005 a 02/07/2005
19/06/2005 a 25/06/2005
12/06/2005 a 18/06/2005
05/06/2005 a 11/06/2005
29/05/2005 a 04/06/2005
15/05/2005 a 21/05/2005
08/05/2005 a 14/05/2005
17/04/2005 a 23/04/2005
10/04/2005 a 16/04/2005
03/04/2005 a 09/04/2005
27/03/2005 a 02/04/2005
20/03/2005 a 26/03/2005
13/03/2005 a 19/03/2005
06/03/2005 a 12/03/2005
27/02/2005 a 05/03/2005
20/02/2005 a 26/02/2005


Categorias
Todas mensagens
NULL


Votação
Dê uma nota para meu blog

Blogs de Amigos
Abstracto Concreto
Aleatório
Alma de Poeta - Antonio Sardenberg
Alma de Poeta - Valéria Tarelho
Apenas meus poemas - Fátima Dannemann
Bigode de leite
Cardiotopia
Catarseando
Cinzazul
Concretismo
Contra o Vento
Delírios Plurais
Digressiva Maria
Drops da Fal
Eliane Alcântara
Entrelaçando Sentimentos
Isabel Fontes
Fala Poética
Jandyra Adami-blog
Jandyra Adami-ebook
Jandyra Adami-HP
Jardim de Poesia -Sapo
Jardim de Poesia - UOL
J.R.Cônsoli
Mainieri's
Malhação 10 anos - Cris
Mar da Poesia
Megeras Magérrimas
Meu Porto
Milton Ribeiro
Não Discuto
Não Velas de uma quase fada
O ponto zero
Palavras de Algodão
Paola Poesias
Paola Poesias-Sapo
Pedra Brasileira
Poesia Sim
Poesiando
Poesias - Angela Lara
Poesias e Amigos Angela Lara
Poesias e Contos - Ana Melo
Poetaranha - Marcelo Alvarez
Pré-renúncia do paralelepípedo rebelde
Proseares - Valéria Tarelho
Proseando - Mariza Lourenço
Pulsar Poético
Quase Poesia
Renovando a Mente
Tábua de Marés - Márcia Maia
Tempoemas
Textos (quase) proibidos
Texturas - Valéria Tarelho
Triblog - Blog da Tribo
Verso Explícito
Vida atrás do espelho
Vozes da Paixão
Zoo Poesia
==
==
Sites Interativos
A Garganta da Serpente
A Voz da Poesia
Blocos on Line
Nave da Palavra
Ponto de Vista Literatura
Recanto das Letras
Viva Poesia Viva
Versejar
Usina de Letras
==
Outros Sites
==
@poesia.com
Angela Lara - Edições Por-do-Sol
Arte Feminina
Cosmo
Elane Tomich Poesias
Faculdade de Teologia
Gaiola Aberta
Igreja Metodista Central - BH
Jardim de Poesia-Geocities
Jardim de Poesia- Fotografias
Jornal de Poesia
Tempo de Poesia - Maria Tereza
Kamiquase - Paulo Leminski
Le Troca - joguinho
Ligia Tomarchio
Lílian Maial - Geocities
Lisiê Love Dreams - minha xará
Luna e Amigos
Meu Sonho
Minhas Poesias-Angela Lara
Momento Literário
Mulheres que amo
Nossas Preferências - Majô & Machado
Palavras
Paralelos
Pinturas - Martha Allemond
Poesia Ilustrada - Valéria Tarelho
Poética Social - Palavreiros
Poetrix
Portal dos Cantinhos
Projeto Releituras
Prosa e Verso - Lílian Maial
Reinaldo Home Page
Távola Literária
Valéria Tarelho - site
Verso & Prosa
==
==
Meus Cantinhos
lisieux - A voz da poesia
lisieux - Edições Por-do-Sol
lisieux - Jardim de Poesia
lisieux - Lun'as
lisieux - Tempo de Poesia
Canções espontâneas

Indique este blog

XML/RSS Feed
O que é isto?


   

Ingressar em Versejar

   

 MSN Grupos

Blue Eyes III
E-Mail



PRESENTES
lisieux

Dei-te, meu amor
não os meus primeiros
e inocentes
anos de adolescente.

Não te dei também
meus beijos inexperientes,
nem os maravilhosos,
coloridos, planos
de minha mente...

Dei-te, ao contrário,
muitos desenganos
acumulados,
no meu dia-a-dia,
dolorosamente...

Dei-te maduros anos,
orvalhados,
dei-te o cair das folhas
outonais...
dei-te o sopro
da aragem matutina,
a minha alma pura,
cristalina
e dei-te, amado,
muito, muito mais...

Dei-te o ocaso
das minhas primaveras
as minhas doces
lembranças
e quimeras
as desbotadas sombras
dos meus dias

E finalmente,
dei-te, sem pesar,
cada minuto
das horas de prazer
o alvorecer
sereno
depois das noites
de supremo amor.

Dei-te momentos de riso,
e de alegria,
o meu  abraço,
minha companhia...
o meu consolo
para o teu sofrer...

E dei-te a última,
sonora melodia,
que entoou o violão
plangente,
que agora jaz calado

eternamente...

BH – 08.08.04



Escrito por lisieux às 17h31 [ ] [ envie esta mensagem ]





VÉSPERA
lisieux

Já às vésperas de tua vinda eu me inauguro, no esplendor de um amor maduro, concretizado em  séculos de espera.  Já às vésperas de tua chegada, eu refloresço... estremeço os meus galhos, cubro o solo de pétalas, tapete colorido, estendido à tua passagem... Já as vésperas do teu beijo, eu me preparo: solto o desejo, aguardando o raro momento da entrega.  

Às vésperas da tua luz,  dissipo as trevas... porque o teu olhar sempre me leva, a um novo despertar, nova esperança. E às vésperas do amor, em paz, me dispo... de coisas fúteis, mesquinhez, de orgulho.

E no teu corpo, sem temor, mergulho a fim de renovar a minha vida.

BH - 20.03.05



Escrito por lisieux às 18h38 [ ] [ envie esta mensagem ]





[ ver mensagens anteriores ]


on-line